Publicado em Música

Chico Buarque – Opereta do Casamento

“Indicação” nº 6 do dia:

Opereta do Casamento

Nem assaz alhures e antanho
Era um evento tamanho
A sagração nupcial
Vinha a noiva de gargantilha
Caçoleta e rendilha
Diadema e torçal

Mas se houvesse algum embaraço
Dera a moça um mau passo
Quanto horror e desdém
Ela ia parar no convento
Ia dormir ao relento
Ou deitar nos trilhos do trem

Do pudor da noiva a bandeira
Após a noite primeira
Desfraldava-se ao sol
A sua virtude escarlate
Igual brasão de tomate
Enobrecendo o lençol

Mas se não houvesse tal mancha
É que outra mancha mais ancha
Se ocultava por trás
E o rapaz pagava o malogro
Com a vendeta do sogro
Ou com a malícia dos mortais

“Oh meu pai, oh meu pai, por favor
Condenai o nosso amor
De langor e luxúria!
Mas poupai, oh meu pai
Nosso filho
Da fúria do Senhor!”

O guri nasceu apressado
Nem um mês de casado
Tinha quem o gerou
Quando o pai caiu nos infernos
Foi nos braços maternos
Que ele se pendurou

Quando a mãe caiu na sarjeta
Foi seguindo a opereta
Na garupa do avô
Quando o avô caiu do cavalo
Foi chorar no intervalo
E mais um ato começou

Palhaço, corista
Trapézio, dançarina
Maestro, cortina
É fé na flauta e pé na pista

Autor:

Psicóloga e Influenciadora Digital,amante de música boa

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.